Personalidade gastronômica

Tereza Paim (Casa de Tereza)

Além do Casa de Tereza, no Rio Vermelho, a chef comanda outros três empreendimentos de sucesso

A irreverente chef Tereza Paim. Foto: Ligia Skowronski

A irreverente chef Tereza Paim. Foto: Ligia Skowronski

05.jun.2014 17:59:08 | por Natalia Horita

Tudo é superlativo na vida de Tereza Paim. O primeiro evento que assumiu como banqueteira, depois de largar o emprego de diretora comercial, exibia uma extensa lista de 1 500 convidados. Ela tem 24 tios-avôs, e em sua família há mais oito Terezas. Para providenciar ingredientes como carne de fumeiro, mangaba e pescados utilizados nas receitas do Casa de Tereza, eleito a melhor cozinha baiana nesta edição, conta com um exército de 21 fornecedores. Nada, porém, que destoe de sua personalidade. Falante e simpática, a chef está sempre tratando de mais de um assunto ao mesmo tempo. Enquanto dirige o restaurante, instalado em um gracioso casarão de 1836, ela se desdobra para administrar os 84 funcionários que cumprem expediente também nos seus outros três empreendimentos. Afora a casa do Rio Vermelho, Tereza comanda o Terreiro Bahia, estabelecimento na Praia do Forte dedicado à comida do estado, um bufê, em que prepara quitutes para abastecer festas, e mais recentemente o Casinha. Inaugurada em fevereiro, sua última empreitada sedia pequenos eventos, aulas e cursos rápidos de gastronomia. Em meio a tantos compromissos, a cozinheira ainda reserva tempo para cuidar do seu maior xodó: a vendinha Samuel e Totó, montada no subsolo do restaurante em Salvador, na qual são encontrados desde beijus até artesanatos, pimentas, cerâmica e peças de artistas locais. “Acho que é coisa de baiano não conseguir ver um artista passando necessidade. Então, se alguém vem aqui e pede para expor sua obra, eu deixo”, diz ela, que, entre moquecas e bolinhos, também apresenta sua grande arte ao público.