(Foto: Ligia Skowronski)

Restaurantes > Italianos

La Cucina di Tullio Santini

Endereço: Avenida Antônio Diederichsen, 485 - Jardim São Luiz - Ribeirão Preto

Telefone: 3623-6361

  • Funcionamento

    19h/23h (sex. e sáb. até 0h; dom. só almoço 12h/15h)
  • Preço

    de R$ 76,00 a R$ 100,00
  • Pagamento

    • Cartões de crédito (American Express, Dinners, Mastercard, Visa)
    • Cartões de débito (Maestro, Rede Shop, Visa Electron)
  • Serviços

    • Acesso wireless
    • Ar condicionado
    • Lugares/Capacidade
      (total 150)
    • Valet/Manobrista
    • Vinho em taça
  • SITE OFICIAL

Resenha

Nascido no norte da Itália, em Cremona, Tullio Santini chegou ao Brasil em 1956 e logo começou a trabalhar com distribuição de gás. Foi graças ao negócio que, anos depois, ele desembarcou em Ribeirão Preto, onde viu crescer os filhos. Em 1999, já instalado na cidade, passou a se dedicar exclusivamente ao prazer de cozinhar e inaugurou seu restaurante italiano, considerado o melhor da região segundo o júri desta edição. Aberto todos os dias da semana, o endereço tem dois salões repletos de referências à história de seu fundador. Fotos antigas, pinturas, instrumentos e bibelôs compõem a atmosfera intimista, reforçada pelo músico João Augusto, que, com seu acordeão, alegra o ambiente com canções italianas e francesas e tangos de Carlos Gardel. Exceto o molho de tomate, que permanece no fogo durante seis horas, e a paleta de cordeiro, assada submersa em uma marinada por igual período, tudo na cozinha é feito no momento do pedido. Inclusive as massas, que aparecem em uma centena de receitas. A maissolicitada delas é a chamada la gôndola: sobre uma base de massa fininha, com o formato de uma embarcação, vão molho bechamel, um recheio à escolha do cliente, mussarela e tiras de massa fresca dispostas em espiral. Antes de ir ao forno, ela recebe pinceladas de uma mistura de manteiga, parmesão eervas. O recheio mais pedido, batizado de imperatore, leva cubos de filé-mignon, molho de tomate, pesto e manjericão (R$ 85,90). Na mesma seção, ainda faz sucesso o nhoque ao sugo com manjericão, servido sobre uma base crocante (R$ 56,40). Entre as carnes, a paleta de cordeiro, extremamente macia, vem guarnecida de pappardelle com manteiga e ervas (R$ 91,90). Para o desfecho, o menu investe em sobremesas como o tristão e isolda, com goiabada cascão aquecida e sorvete de creme (R$ 22,90). Os pratos demoram em torno de meia hora para chegar à mesa. É tempo suficiente para saborear uma deliciosa polentinha na chapa coberta por molho ao sugo, pesto e parmesão, entregue como cortesia, e bebericar um dos 250 vinhos à disposição. A oferta vai de uma taça de chianti italiano (R$ 13,90) a rótulos nobres, caso do espanhol Vega Sicilia Único Gran Reserva 2003 (R$ 2 200,00). Mas a maioria das cerca de 800 garrafas consumidas por mês reúne tintos chilenos, como o Casa Silva2012 (R$ 86,90), elaborado com uvas cabernet sauvignon ou carmenère, e argentinos, entreeles o Luigi Bosca Malbec 2011 (R$ 109,00).