COMIDINHAS

Bragança Frutos do Mar

  • Categoria: SALGADOS

Endereço

  • Avenida Torquato Tapajós, 22A
  • Bairro: Flores
  • CEP: 69048660
  • Telefone: 3654-7433
  • Horário: 8h/23h (dom. e feriados até 15h)
  • C. Crédito:
  • C. Débito:
  • Serviços:
* Os preços e as demais informações foram apurados entre os meses de maio e julho de 2013
Paraense de Bragança, região conhecida pela pesca, Laércio Nazareno Ferreira desembarcou em Manaus em 1968, formou família e nunca mais deixou a cidade. Em 2000, quando abriu este estabelecimento, resgatou suas raízes bragantinas. Porém, em vez de tambaqui, pirarucu e piracuí, espécies de água doce tão comuns nas mesas da capital, ele optou pelos peixes e frutos do mar - hoje os grandes responsáveis pela fama da casa. Eles entram na composição de boa parte dos salgados ali servidos, apontados pela primeira vez como os melhores de VEJA MANAUS "Comer & Beber". Para provarem os quitutes, os frequentadores ignoram a falta de charme do ambiente e voltam sempre em busca dos pastéis de camarão, caranguejo ou bacalhau (R$ 3,00 a unidade), da unha de caranguejo (R$ 6,00) e do camarão-rosa grande empanado (R$ 3,00 cada um), servido sequinho e com a casquinha bem crocante. O bolinho com recheio do crustáceo (R$ 3,50) reforça a oferta e faz bom par com uma long neck de Cerpa (R$ 6,00), cerveja oriunda de Belém. Na hora do almoço, Ferreira monta um bufê no qual prevalecem pratos célebres da culinária do Pará, a exemplo do pato no tucupi e da maniçoba, também vendida separadamente (R$ 18,00 a porção individual). Vai bem com a refeição o suco de bacuri (R$ 6,00 o copo de 200 mililitros).

Comentários

Aprovamos comentários em que o leitor expressa suas opiniões. Ofensas, spam, publicidade, dados pessoais(e-mail, telefone, RG etc.) e links externos, ou que sejam ininteligíveis, serão excluídos. Conheça as regras para a aprovação de comentários no site de VEJA. Para comentar você precisa estar logado.

Comentários

Para comentar faça seu login abaixo ou cadastre-se.
  • Login:
  • Senha:

VEJA paga todas as suas despesas na produção das revistas e na avaliação dos estabelecimentos, não aceitando qualquer tipo de cortesia. Nenhuma taxa é cobrada dos endereços indicados na edição impressa, no site ou nos aplicativos — apenas critérios editoriais são aplicados na escolha e avaliação dos lugares. Pessoas ou empresas que comercializam placas ou qualquer outro tipo de prêmio usando o nome VEJA Comer & Beber podem ser denunciadas pelo e-mail vejabrasil@abril.com.br para que sejam tomadas medidas legais contra elas.