Restaurantes

As mesas campeãs

Entre as 222 casas selecionadas para esta edição, o Bellini reafirma-se como o melhor italiano, enquanto o francês Le Troquet segue invicto desde a primeira edição do prêmio, em 2004. Das novidades, o cobiçado posto de chef do ano é conquistado por Théo Medeiros e o título de bom e barato vai para o agradável Spice. Escolha sua mesa e bom apetite

Chef do ano

O premiado cozinheiro: influências mediterrâneas e ingredientes sazonais

Théo Medeiros(Théo Medeiros)

Açoriano criado na França, Théo Medeiros procurava ainda na adolescência uma profissão que lhe permitisse viajar pelo mundo. Estava na terra do coq au vin e não tardou a optar pela gastronomia. Formou-se chef em Fontainebleau, ao sul de Paris, e fez estágios com mestres como Bernard Loiseau. Tinha 19 anos quando, seduzido por um convite para trabalhar no Le Troquet, de Sousas, chegou a Campinas. Aqui, não só prestou serviços ao conterrâneo Henri Sauveur Hirigoyen como também foi dono do extinto Espiegle e elaborou o primeiro cardápio do Bellini. Desde 2008 à frente do restaurante que leva seu nome, Théo investe em uma cozinha de acento mediterrâneo, em que abusa de ingredientes como azeite e tomate, e não abre mão da churrasqueira para preparar carnes e legumes. Também prioriza ingredientes sazonais, como avestruz e anchova negra, cujas receitas são exibidas em uma lousa no salão e que somam-se às treze sugestões fixas do cardápio. Destas, a lagosta com manteiga de pistache e nhoque de batata com azeitona (R$ 59,90) já é um clássico.

Leia a resenha do restaurante Théo Medeiros

O melhor brasileiro

Bisteca suína: R$ 61,30, para quatro pessoas

Bar do Marcelino

O casarão centenário, no trecho de paralelepípedos da Rua Heitor Penteado que dá acesso ao distrito de Joaquim Egídio, foi construído para abrigar um armazém de secos e molhados. Logo assumiu sua vocação para boemia. Funcionou como Bar do Seu Rubens, Bar do Said e Bar do Mucio até cair nas mãos de Jaime Marcelino Pisolatto, em 1988. Ganhou um cardápio recheado de receitas caseiras, bem brasileiras. Tem tutu à moda, acompanhado de arroz, farinha, vinagrete, ovo, linguiça, banana à milanesa e costelinha (R$ 58,20, para duas pessoas), e um trivial contrafilé acebolado ladeado por arroz, feijão, farinha e legumes na manteiga (R$ 66,30, para quatro pessoas). Com os mesmos acompanhamentos, aparece também a bisteca suína (R$ 61,30, para quatro pessoas). Às quartas, sábados, domingos e feriados tem vez a feijoada (R$ 61,30, para duas pessoas). Sobretudo nesses dias, quando a casa fica lotada de famílias, motociclistas e trilheiros, parte do programa consiste em acomodar-se em um dos caixotes de madeira dispostos na calçada para bebericar uma cerveja Original (R$ 7,00) na companhia da porção de dedo-de-moça empanada recheada de carne moída (R$ 18,60, com seis unidades), levemente picante.

Rua Heitor Penteado, 1113, Joaquim Egídio, telefone 3298-6909 (54 lugares). 11h/15h e 18h/0h (sáb sem intervalo; dom. sem intervalo até 20h). Cc: M e V. Cd: M, R e V. www.bardomarcelino.com. Aberto em 1988. $

A melhor carne

T-bone (R$ 45,80): temperado somente com sal marinho

Cenário

Dos tempos em que o endereço funcionava como bar de música ao vivo, os irmãos Marco Antônio e Vasco Moreti guardam apenas fotos emolduradas na parede do corredor que dá acesso ao salão. Convertido há 25 anos em restaurante, tem hoje como especialidade as carnes servidas à la carte, eleitas as melhores da cidade pelo júri de VEJA CAMPINAS. O mérito é do churrasqueiro Reginaldo São Leão, desde a inauguração responsável pelos cortes altos trazidos da Argentina, temperados somente com sal marinho e grelhados no ponto certo. Entre as dez opções do menu há picanha (R$ 38,00), t-bone (R$ 45,80) e bife de chorizo (R$ 37,80). Cada pedido dá direito a farofa e vinagrete. Outros acompanhamentos são vendidos à parte, como batata frita (R$ 15,70), arroz-de-carreteiro (R$ 16,90) e salada de rúcula, cebola e torresmo (R$ 19,90). A afamada porção de croquetes de carne (R$ 16,00, com doze unidades) faz as vezes de entrada. Das 28 opções da enxuta carta de vinhos, destaque para o chileno Terra Noble Reserva Pinot Noir (R$ 99,00). As cervejas Original e Serramalte custam R$ 6,00 cada garrafa.

Rua Coronel Quirino, 1682, Cambuí, telefone 3252-5333 (120 lugares). 11h30/15h e 17h/0h (sáb. sem intervalo; dom. só almoço até 17h). Cd: M, R e V. Ar. atividades para crianças Aberto em 1983. $$$

O melhor francês

Confit de canard: cozido em sua própria gordura (R$ 89,00)

Le Troquet

Poucas são as casas que refletem tão bem o espírito de seu dono. Neste caso, de Henri Sauveur Hirigoyen, chef francês nascido na região dos Pirineus que há quase quatro décadas desembarcou em Campinas. É dele todo o projeto arquitetônico do espaço, com cascatas, abajures de estilos diversos e cristais. O bar, nos fundos, é uma atração à parte: lembra uma caverna de gelo por suas paredes brancas de textura irregular que são decoradas com vasos, estátuas e máscaras africanas. Estalactites no teto e um aquário de 1 500 litros completam o peculiar cenário. Enquanto Henri hoje se dedica a outras de suas atividades, como a literatura, as artes plásticas e, sobretudo, à função de anfitrião do restaurante, a execução das receitas é confiada ao conterrâneo Gerard Jehanno. De preparo laborioso, o confit de canard compõe-se de coxa de pato cozida em sua própria gordura, guarnecida de arroz, creme de espinafre e cenoura (R$ 89,00). Outra sugestão é o badejo à la maison, que ganha molho à base de azeite, alho e camarão (R$ 77,00). Precedem os pratos o vol-au-vent de camarão (R$ 46,00) e a delicada alcachofra na manteiga (R$ 29,00). Para acompanhar a refeição, vinhos podem ser escolhidos diretamente na adega, que ocupa toda uma sala. O italiano Piccini Rosso di Montalcino (R$ 138,00) está entre os 240 rótulos disponíveis.

Rua Rei Salomão, 161, Sousas, telefone 3258-1993 (92 lugares). 12h/14h30 e 18h/0h (sex. jantar até 1h; sáb. só jantar até 1h; dom. só almoço até 15h30). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. estacionamento Manobr. Ar. banheiro para deficientes físicos fumante www.letroquet.com.br. Aberto em 1976. $$$$

O melhor italiano

Pescada-amarela em crosta de quinoa: R$ 62,00, com aspargo e tomate

Bellini

Sem abandonar a influência italiana que permeia o cardápio do restaurante, o chef Paulo Rodrigo Varela sempre apresenta novas receitas, muitas delas com um toque contemporâneo. Assim, passam a figurar ao lado de clássicos como o nhoque de batata com ragu de ossobuco (R$ 51,00) ou a pescada-amarela em crosta de quinoa (R$ 62,00). Regada com redução de vinho branco e ervas, tem por guarnição aspargo e tomate. Também recente no menu, o coração de filé-mignon ao molho de vinho do Porto e shiitake ganha a companhia de polenta assada recheada de brie (R$ 45,00). No capítulo de massas, todas de produção própria, o fettuccine recebe molho de tomate, camarão, azeite, alho e manjericão (R$ 62,00). Cabe à chef pâtissière Katia Takinami a preparação de sobremesas como semifredo de torrone com creme de paçoca e telha de amendoim (R$ 22,00). O classudo salão, com pé-direito alto e grandes colunas de tijolo aparente, exibe também uma imponente adega, que abriga 1 800 garrafas de 455 rótulos. O Primitivo di Manduria 2008, representante da Puglia, sai por R$ 85,00 e o Pelofino IGT 2008, da Toscana, por R$ 94,00.

Avenida José de Souza Campos, 425, Vitória Hotel, Cambuí, telefone 3755-8027 (120 lugares). 12h/15h e 19h/0h (sex. e sáb. até 0h; sáb. almoço até 16h; dom. só almoço até 16h). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. estacionamento Manobr. Ar. atividades para crianças internet sem fio www.belliniristorante.com.br. Aberto em 2003. $$$$

O melhor oriental

Shiitake jyo, jyo ebi e jyo italiano: criações do sushiman Aguinaldo Rocha

Kindai

Quem se acomoda em um dos catorze lugares em torno do balcão instalado no centro do salão moderninho, com pé-direito alto e trilha sonora executada por DJs, acompanha de perto o trabalho do afiado time de sushimen capitaneado por Aguinaldo Rocha. Dali partem especialidades apresentadas em duplas, como o jyo ebi (sushi de camarão ao molho de mostarda, R$ 14,00), ou porções de quatro unidades, caso do rolinho de atum com cebola empanada e alcaparra batizado de jyo italiano (R$ 17,00). Também com quatro peças, o shiitake jyo traz shiitake e ovas de massagô envoltos em salmão (R$ 29,00). Especialidade do menu, o sashimi usuzukuri tem apresentação primorosa: fatias de robalo e de salmão são dispostas em forma de flor e regadas por um molho de limão-siciliano, shoyu e mostarda de Dijon (R$ 32,00). Além do menu à la carte é montado bufê com pratos quentes e frios (R$ 34,90 por pessoa de segunda a sexta e R$ 41,90 aos sábados e domingos) e, à noite, figura como alternativa o festival (R$ 49,90 e R$ 59,90). Para beber, segue imbatível a caipirinha de sakê com frutas vermelhas (R$ 16,50).

Avenida José de Souza Campos, 425, Vitória Hotel, Cambuí, telefone 3755-8027 (105 lugares). 12h/15h e 19h/0h (sex. e sáb. jantar até 1h; sáb. e dom. almoço até 16h; seg. só almoço). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. estacionamento Manobr. Ar. internet sem fio www.kindai.com.br. Aberto em 2003. $$$

A melhor cozinha de peixes
e frutos do mar

Badejo ao molho de camarão: R$ 84,00

Bouquet Garni

Sempre a postos, a simpática brigada de garçons não hesita em indicar os peixes mais frescos do dia e, assim, auxiliar o cliente na escolha de um dos catorze pratos do menu. As receitas são executadas pelo chef Simon Girard, canadense que veio ao Brasil para ficar três meses e já está aqui há quase duas décadas. Abre os trabalhos a porção de camarão médio flambado no Strega, um licor italiano feito de ervas (R$ 55,00). Dos pratos, o aruanã garni traz o peixe da região amazônica coberto com alho-poró, cogumelo-de-paris e castanha-do-pará, guarnecido de legumes cozidos (R$ 74,00). Outra sugestão é o badejo ao molho de camarão, com uma posta alta do pescado grelhada, acompanhada de arroz e batata frita (R$ 84,00). Há também caldeirada (R$ 85,00), cuja receita Girard trouxe dos tempos em que trabalhou no Bar da Praia, em Jaguariúna. Todos os pratos satisfazem duas pessoas e podem ser provados tanto nas mesas do salão como no deque sobre o bonito lago que permeia o restaurante. A carta de vinhos traz opções como o chileno Santa Helena Selección del Directorio Chardonnay (R$ 64,00).

Rua Treze de Maio, 1650, Sousas, telefone 3258-5119 (160 lugares). 19h/23h30 (sáb. almoço 12h/16h; dom. só almoço 12h/16h30; fecha seg. a qua.). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. estacionamento banheiro para deficientes físicos atividades para crianças www.bouquetgarnirestaurante.com.br. Aberto em 2000. $$

A melhor pizzaria

La vera margherita (R$ 34,00): feita como na Itália

Bráz

O cuidado na seleção dos ingredientes e a habilidade do time de pizzaiolos garantiram à Bráz um reconhecimento duplo este ano. A começar pelo título na edição Comer & Beber de VEJA CAMPINAS, que a elegeu novamente a melhor pizzaria da cidade. Segundo, pela certificação da Associazione Verace Pizza Napoletana, instituição criada para promover a tradição da autêntica receita da pizza napolitana. O zelo começa com a escolha da farinha usada para moldar os discos, desenvolvida com exclusividade por um fornecedor, e segue com o molho, feito apenas de tomates San Marzano D.O.P., importados do sul da Itália. De bordas largas e massa média, a barra speciale combina lascas de burrata, tomate e azeitona preta (R$ 57,00). A caprese, outro clássico do endereço, traz uma base de mussarela sobre a qual se dispõem grossas fatias de tomate coroadas por uma composição de mussarela de búfala, folhas de manjericão gigante e pesto de azeitona preta (R$ 57,00). Novidade, a la vera margherita é feita como manda o figurino do lado de lá do Atlântico: com folhas de manjericão, mussarela de búfala e bastante molho de tomate sobre uma massa mais maleável e elástica, em tamanho individual (R$ 34,00). O cremoso chope Brahma (R$ 5,60) rivaliza com os vinhos da carta. São 62 rótulos, entre os quais o italiano Vino Nobile di Montepulciano Riserva (R$ 135,00).

Rua Benjamin Constant, 1963, Cambuí, telefone 3251-0044/4444 (320 lugares). 18h30/0h (sex. e sáb. até 1h). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. estacionamento Manobr. banheiro para deficientes físicos atividades para crianças entrega em domicílio www.casabraz.com.br. Aberto em 2003. $$

O melhor variado

Hadoque ao molho de champanhe, uva e amêndoa: guarnecido de espuma de batata, aspargo e alho-poró (R$ 69,00)

Baracat

É no salão de iluminação indireta, em que predomina o elegante contraste de paredes brancas com elementos decorativos de madeira, que o chef Marco Baracat exibe suas criações. Autodidata que largou o curso de medicina para ser cozinheiro, ele aposta em receitas franco-italianas, preparadas também com ingredientes brasileiros, que lhe renderam o sexto título de o melhor variado da cidade. O bom trabalho se revela no hadoque ao molho de champanhe, uva e amêndoa ladeado por espuma de batata, aspargo e alho-poró (R$ 69,00). Guarnecido de risoto de abóbora cabochá, uva e semente de abóbora, o confit de pato é regado com molho de romã e pimenta-da-jamaica (R$ 53,00). O capítulo das entradas apresenta vieiras flambadas em Sambuca, um licor italiano de anis. Chega na companhia de cogumelos, endívias, molho de ostra e ovas (R$ 32,00). Composta de 200 rótulos, a seleção de vinhos inclui sugestões como o chileno Viu Manent Secreto Carmenère (R$ 89,00). No arremate, tem torta de pistache, laranja e licor Contreau com coulis de cassis e blueberry (R$ 14,00).

Rua Coronel Francisco Andrade Coutinho, 177, Cambuí, telefone 3295-7575 (90 lugares). 12h/14h30 e 19h/23h (sex. e sáb. jantar até 0h30; sáb. almoço até 15h; dom. só almoço 12h/16h; fecha seg.). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. estacionamento Manobr. Ar. www.baracatrestaurante.com.br. Aberto em 1992. $$$$

Bom e barato

O farto bufê: saladas e receitas criativas a R$ 23,80 por pessoa

Spice

O restaurante é um charme só. Na casa de fachada discreta em que está instalado, paredes coloridas, móveis rústicos e muitas plantas preservam uma bucólica atmosfera interiorana em meio ao burburinho do Cambuí. Paga-se R$ 23,80 para ter acesso ao extenso balcão, que alinha 28 tipos de saladas, acompanhamentos como arroz e feijão e outras duas sugestões quentes, uma delas geralmente vegetariana. Pode aparecer frango tandoori (cozido com gengibre, leite de coco e páprica picante), empadão de carne, lombo ao molho de mexerica e berinjela à parmegiana. Tudo é reposto rapidamente, sob o olhar do proprietário Sérgio Rauen. Chef autodidata que trocou há vinte anos o mercado financeiro pelas panelas, hoje dá aulas de gastronomia e mantém o costume de permanecer na cozinha depois que o restaurante fecha. Assim, poder testar novas receitas e combinações para manter o menu sempre atualizado.

Rua Doutor Guilherme da Silva, 423, Cambuí, telefone 3253-0620 (90 lugares). 11h30/15h (sáb., dom. e feriados até 16h). Cd: M, R e V. www.spicerestaurante.com. Aberto em 1989. $

A melhor carta de vinhos

Adega recheada: 615 rótulos

Olivetto

A dedicação ao mundo dos vinhos transparece logo na bonita decoração, pontuada por paredes de tijolo aparente. Da entrada, pode-se avistar a adega, uma saleta envidraçada com temperatura de 15 graus que acomoda 1 000 garrafas. O balcão do winebar é forrado por caixotes de madeira que um dia cumpriram a função a proteger tintos, brancos e espumantes. Até as geladeiras antigas que pontuam o ambiente prestam serviço à bebida e, ainda em funcionamento, se encarregam de abrigar os exemplares que necessitam de maior refrigeração. Ao todo são 615 rótulos, apresentados em uma didática carta de trinta páginas que traz informações sobre a vinícola de origem e o teor alcoólico de cada um deles. Em alguns casos, também são listadas as pontuações concedidas por publicações influentes, como a revista americana Wine Spectator e o guia bimestral The Wine Advocate, do crítico Robert Parker. Na lista de preciosidades está o francês Chateau Mouton Rothschild, safra 2000, que sai da adega por R$ 11 400,00. Outra opção, esta muito mais acessível, é o chileno Vertice 2006, elaborado com uvas carmenère e shiraz (R$ 145,00). Cabe ao sommelier Marcos Oliveira indicar a melhor etiqueta para harmonizar com os pratos do chef Fabio Amaral. Um exemplo é o congro grelhado ao molho de cogumelo guarnecido de risoto de palmito (R$ 62,00), que vai bem com o chileno Queulat Sauvignon Blanc (R$ 72,00).

Avenida Coronel Silva Telles, 843, Cambuí, telefone 3294-8133/8017 (110 lugares). 11h30/15h e 19h/0h (sex. e sáb. jantar até 1h; sáb. almoço até 16h; dom. só almoço até 16h). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. Ar. banheiro para deficientes físicos internet sem fio fumante www.olivetto.com.br. Aberto em 2008. $$$$

Restaurante revelação

Tortelone de pernil de vitela: ao molho de tomate, manjericão, filé-mignon, tomate seco, mussarela de búfala e rúcula (R$ 86,50, para duas pessoas)

Lellis Trattoria

Depois de São Paulo e Curitiba, a rede de cantinas fundada há trinta anos chega a Campinas com ares de novidade. Ex-cozinheiro do histórico restaurante paulistano Gigetto, o hoje restaurateur João Lellis aposta em massas de fabricação própria, servidas em porções fartas, imersas em molhos carregados. Um exemplo é o tortelone recheado de pernil de vitela, parmesão e brócolis, que vem à mesa coberto por uma mistura de tomate, cebola, alho, orégano, azeite, manjericão, cubos de filé-mignon, tomate seco, mussarela de búfala e rúcula (R$ 86,50, para duas pessoas). Outra sugestão é o raviolone à macalu, cujo recheio combina marisco, camarão e lula. Ao molho de frutos do mar e tomate, custa R$ 99,50 (para duas pessoas). No salão em que predominam as cores da bandeira da Itália, todo decorado com objetos antigos, brilha o bufê de antepastos com 22 itens vendidos por quilo (R$ 79,00). Há queijos, embutidos, frutos do mar ao vinagrete e outros preparos frios, caso do escabeche. Ao lado, a adega guarda 120 rótulos de vinhos, incluindo uma marca própria produzida em Bento Gonçalves (RS) com uvas merlot ou cabernet sauvignon(R$ 33,00). Entre os exemplares italianos, exibe o Cantine Dragani Montepulciano díAbruzzo (R$ 61,00).

Rua Benjamim Constant, 2031, Cambuí, telefone 3294-0708 (210 lugares). 11h30/16h e 19h/1h (sex. até 2h; sáb. sem intervalo até 2h; dom. sem intervalo). Cc: A, D, M e V. Cd: M, R e V. estacionamento Manobr. Ar. banheiro para deficientes físicos internet sem fio entrega em domicílio www.lellis.com.br. Aberto em 2010. $$

VEJA paga todas as suas despesas na produção das revistas e na avaliação dos estabelecimentos, não aceitando qualquer tipo de cortesia. Nenhuma taxa é cobrada dos endereços indicados na edição impressa, no site ou nos aplicativos — apenas critérios editoriais são aplicados na escolha e avaliação dos lugares. Pessoas ou empresas que comercializam placas ou qualquer outro tipo de prêmio usando o nome VEJA Comer & Beber podem ser denunciadas pelo e-mail vejabrasil@abril.com.br para que sejam tomadas medidas legais contra elas.