Aperitivos

Tendências, personagens, números interessantes e outras curiosidades à mesa

O Café Container serve a bebida coada no filtro Hario. Foto: Ligia Skowronski

O Café Container serve a bebida coada no filtro Hario. Foto: Ligia Skowronski

19.jun.2014 14:01:23 | por Redação
Um café (coado) e a conta, por favor
No império do expresso, o bom e velho café coado vem ganhando espaço em alguns endereços da cidade. Na cafeteria 11.16 e na Café Bons Tempos, por exemplo, a bebida costuma ser coada à mesa, aos olhos do freguês. Para não errar na hora do pedido, o barista Plinio dos Santos, do premiado Café Container, explica os quatro métodos de filtragem mais comuns e o resultado deles na xícara.
Filtro comum: caseiro e barato, tem lá suas implicações. Como a vazão é pequena, o pó fica muito tempo em contato com a água quente e, por isso, a bebida adquire certo amargor.
Hario: de plástico, vidro ou cerâmica, esse filtro (foto) tem maior vazão e veios nas paredes internas, que contribuem para uma extração homogênea. O café fica sutil e menos amargo.
Aeropress: moderninho, é o aparato favorito do barista. Nele, o líquido é extraído rapidamente por pressão do ar e ganha notas aromáticas bem mais acentuadas.
Prensa francesa: permite uma fusão densa entre a água e o café moído. O resultado é uma bebida intensa, encorpada e com um pouco de resíduo.
 
Na boca do povo
Atire o primeiro pão francês o campineiro que nunca comeu um sanduíche à la boca de anjo, um tipo de corte quase onipresente nos bares da cidade. Ele tem sua paternidade atribuída ao Giovannetti. Conta-se que foi ali, na década de 60, que o então chapeiro Pedro João de Carvalho criou o tal método para agradar ao crescente público feminino da casa. A ideia era que, fatiando o lanche em pequenos pedaços, seu consumo seria mais fácil e elegante. Anfiló Costa Filho, um dos atuais responsáveis pela chapa do bar, ensina a montar o famoso sanduíche psicodélico e a sequência exata para um corte perfeito.
 
1. Em um pão francês cortado ao meio, disponha fatias de salsichão com picles, lombo cozido, salsichão lionês, mortadela, rosbife caseiro, presunto, tomate, azeitona preta e mussarela. Junte as duas metades, leve o sanduíche ao forno e espere até que o queijo derreta.
 
 
2. Usando uma faca de serra, própria para pão, faça um corte longitudinal no lanche.
 
 
3. Coloque os pedaços lado a lado, com a lateral virada para cima, e divida-os em cinco partes iguais.
 
 
4. Distribua as fatias em uma travessa e saboreie a refeição (sem sujar as mãos!).
 
O que vem por aí
Dois nomes importantes da gastronomia prometem desembarcar na cidade nos próximos meses. Entre setembro e outubro de 2014, a grife paulistana Octavio Café inaugura sua primeira filial, no saguão de check-in do Aeroporto de Viracopos. A loja terá 70 metros quadrados e cardápio semelhante ao da matriz. Em abril de 2015 será a vez do restaurante Coco Bambu, especializado em peixes e frutos do mar. A rede nascida em Fortaleza (CE) investiu cerca de 6 milhões de reais na unidade campineira, localizada no Shopping Iguatemi em ambiente grandioso, com capacidade para 500 pessoas.
 
Fica, vai ter bolinho!
Bacalhau, batata, gema, cebola, alho e salsinha. Não é segredo a fórmula do célebre bolinho de bacalhau do City Bar, criada pelo casal de proprietários José dos Santos Antônio e Maria Isabel Lopes Couto. Sua produção chega a 3 000 unidades em um único dia e consome 2 toneladas do pescado tipo Gadus morrhua por mês. Espécie de embaixador da colônia portuguesa na cidade, o empresário, que é natural de Pombal, a 170 quilômetros de Lisboa, também se vale do bacalhau para compor o novo sanduba do bar, que inclui ainda mussarela, azeitona preta, alho, cebola e salsa (R$ 32,00). O lanche foi batizado de cristiano ronaldo, em homenagem ao craque da seleção de seu país, hospedada em Campinas durante a Copa. Mas não pense que Santos Antônio é só sorrisos com essa coincidência. “Os clientes não param de me pedir ingressos para os treinos. Eu não tenho”, avisa, em bom português.
 
 
Modinhas
Aperol spritz: O drinque de origem italiana tem tudo para ser o queridinho das coqueteleiras nesta temporada. Os bares SeoRosa, Grainne’s Irish Pub e iff! são alguns dos que servem a bebida, feita com Aperol — bitter à base de laranja — mais uma fatia da fruta, espumante e água com gás.
Bolos caseiros: Singelos e com forte apelo afetivo, eles passaram a sair do forno com mais frequência. Três endereços especializados abriram as portas nos últimos doze meses: Dona Branco, Casa de Bolos e Madame Boleira.