Publicidade

Postado em 14/08/2015 por Redação | 2 comentários

21 cervejas que vale a pena experimentar

Escolher uma cerveja nas prateleiras cada vez mais lotadas de novidades se tornou uma missão desafiadora até mesmo para os que já se aventuram pelos rótulos especiais, nacionais ou importados, há algum tempo.

Para ajudar nessa busca, a equipe de VEJA COMER & BEBER consultou a opinião de sete proprietários de bar e de uma sommelière – em comum, eles têm a missão de provar e decidir quais rótulos merecem estar na carta de cervejas de seus estabelecimentos.

A caprichada lista a seguir, com 21 sugestões, inclui bebidas artesanais, muitas delas oriundas de microcervejarias, e também importadas, frutos de grandes escolas cervejeiras, como a Bélgica. E o melhor: todas elas têm preço médio abaixo de 40 reais.

 

Paulo Almeida (São Paulo/SP)

Sócio-proprietário do Empório Alto dos Pinheiros, que ostenta 800 rótulos de cerveja em suas prateleiras,  e também do Delirium Café.

SP1. Dogma Orfeu Negro - Cervejaria Dogma (São Paulo/SP)
Estilo: Russian Imperial Stout
Preço médio: R$ 31,00 a garrafa de 310 mililitros
Por que vale: “Vem de uma cervejaria recém-lançada, em junho deste ano, que ilustra a evolução da bebida no Brasil e em São Paulo. É uma Imperial Stout de extrema qualidade com teor alcoólico de 12%”.
Combina com: queijos azuis, frutas vermelhas, nozes e sobremesas de chocolate.

2. Júpiter American Pale Ale – Cervejaria Júpiter (São Paulo-SP)
Estilo: American Pale Ale
Preço médio:  R$ 17,00, com 310 mililitros
Por que vale: “É uma cerveja para o dia a dia, com um ótimo custo-benefício. É refrescante e tem aroma cítrico marcante, capaz de agradar a diferentes paladares”.
Combina com: carnes vermelhas, peixes, aves, frios e salgadinhos fritos.

3. Trimiliqui - Cervejaria Urbana (São Paulo/SP) e Blondine (Itupeva/SP)
Estilo: Strong Ale
Preço médio: R$ 16,00 a garrafa de 300 mililitros
Por que vale: Uma cerveja colaborativa entre Urbana e Blondine, muito bem equilibrada e com ótimo drinkability. Apesar de ser escura, é refrescante e tem aromas e sabores complexos”.
Combina com: queijo azul, cogumelos, carnes fortes e nozes.

 

Felipe Pidner (Belo Horizonte/MG)

Proprietário da Cervejaria Seu Romão, cuja carta de cervejas reúne 200 rótulos de diferentes partes do mundo.  BH4. North Coast Acme IPA – North Coast Brewing (Fort Bragg/EUA)
Preço médio: R$ 22,00, a garrafa com 355 mililitros
Estilo: India Pale Ale
Por que vale: “Carrega notas de pêssego e damasco, além de um agradável aroma de biscoito e caramelo. É bastante lupulada, o que resulta em uma cerveja única, de alto frescor e ótimo drinkability, apesar de ser aparentemente forte”.
Combina com: entrecôte ao molho de vinho

5. Ouro Pretana Pale Ale – Cervejaria Ouropretana (Ouro Preto/MG)
Estilo: Pale Ale
Preço médio: R$ 25,00, com 600 mililitros
Por que vale: “Logo no primeiro gole, é possível perceber o amargor pronunciado. Mas o equilíbrio desta cerveja se dá pela adição do açúcar mascavo à base de malte. Tem uma brilhante coloração âmbar e 4,6% de teor alcoólico”.
Combina com: receitas mais gordurosas, a exemplo do goulash.

6. Peripécia APA – Cervejaria Peripécia (Contagem/MG)
Estilo: American Pale Ale
Preço médio: R$ 28,90, com 600 mililitros
Por que vale: “Com 41 de IBU, é uma boa cerveja para os fãs de alto amargor. Sua coloração foge ao estilo (que normalmente é entre o âmbar e o cobre), apresentando tons de amarelo e ouro. O teor alcóolico é de 5%”.
Combina com: porção de frango à passarinho e queijos como cheddar e parmesão.

+ A rota dos vinhos da Serra Gaúcha
+ 20 coisas que só quem é de Belo Horizonte pode entender

 Luciana Isaac (Brasília/DF)

Sócia do Empório Soares & Souza, que exibe cerca de 400 rótulos em suas prateleiras e foi premiado pela sua carta de cervejas por VEJA COMER & BEBER BRASÍLIA em 2014.  brasilia7. Ballast Point Habanero Sculpin – Ballast Point (São Diego/EUA)
Estilo: India Pale Ale
Preço médio: 39,90 a garrafa de 330 mililitros
Por que vale: “É uma cerveja bem diferente, daquelas feitas para os mais experientes. As notas de frutas como maracujá e laranja dominam inicialmente, mantendo o frescor característico da Sculpin. Sua receita leva pimenta, o que garante um sabor único e picante no fundo da garganta”.
Combina com: coxinha de frango com molho apimentado.

8. Maisel’s Weisse Original – Brauerei Gebrüder Maisel (Bayreuth/Alemanha)
Estilo: German Weizen
Preço médio: 25,00, com 500 ml
Por que vale: “Uma boa e clássica cerveja alemã. Carrega notas de banana e cravo que conferem um sabor harmonioso e agradável. É única por não ser filtrada e ter um método de fermentação na garrafa”.
Combina com: salsichas alemãs e queijos leves

9. Préaris Quadrupel – De Proefbrouwerij (Lochristi /Bélgica)
Estilo: Belgian Quadrupel
Preço médio: R$ 38,00, com 330 mililitros
Por que vale: “Não é uma cerveja leve, apesar de sua coloração marrom sugerir isto. A primeira nota que surge no nariz é o álcool, por causa de seu teor de 10%, seguido de malte torrado e especiarias, que conferem um sabor marcante”.
Combina com: queijos fortes e carnes bem temperadas

 

Adolfo Bandeira (Porto Alegre/RS)

Sócio-proprietário do Bier Markt e do Bier Markt Vom Fass, endereços reconhecidos por suas cartas de cerveja e também pelo bom número de torneiras de chope.

POA - Seasons Pacific ,Estrella Damm Inedit e Tupiniquim Monjolo FN

10. Seasons Pacific Extra Pale Ale – Cervejaria Seasons (Porto Alegre/RS)
Estilo: Pale Ale
Preço: R$ 17,00 a garrafa de 500 mililitros. Em Porto Alegre, é possível degustar a bebida no bar, por R$ 13,50 o copo com 250 mililitros e R$ 22,50 o copo com 480 mililitros.
Por que vale: “Com sabor balanceado e um toque de amargo, é uma cerveja bem lupulada, boa para beber a qualquer hora. A bebida exala aromas cítricos como limão e grapefruit, além de um misto de frutas tropicais como maracujá, mamão e abacaxi, vindos dos lúpulos australianos utilizados na composição da receita”.
Combina com: petiscos de bar e finger foods apimentados.

11. Estrella Damm Inedit – Grupo Damm (Barcelona/Espanha)
Estilo: Witbier
Preço médio: R$ 24,00 a garrafa de 330 mililitros
Por que vale: “Elaborada a partir de uma parceria entre o chef espanhol Ferran Adrià, os sommeliers do El Bulli e os mestres cervejeiros da Damm, essa cerveja é fresca, suave e tem textura cremosa. A sensação deriva da mescla de maltes de cevada e trigo, aromatizada com lúpulos e especiarias como coentro, casca de laranja e alcaçuz”.
Combina com: pratos da alta gastronomia, especialmente preparados com frutos do mar. Recomenda-se levar à mesa em balde de gelo e servir em taças de vinho branco.

12. Tupiniquim Monjolo Floresta Negra - Cervejaria Tupiniquim (Porto Alegre/RS)
Estilo: Fruit Beer
Preço médio: R$ 21,00 a garrafa de 310 mililitros
Por que vale: “É a primeira cerveja no Brasil, que parte de uma imperial porter para se transformar em uma fruit. Única também em sua graduação alcoólica para o estilo, 10,5%. E o melhor de tudo: você não percebe essa alta graduação alcoólica”.
Combina com: jantares simples, petiscos, salsichas, churrasco e sobremesas com chocolate.

 

Cássio Salgado (Curitiba/PR)

Proprietário do Salty Pub (Rua Mauá, 410, Alto da Glória), que exibe uma carta com cerca de setenta rótulos diferentes de cerveja. Curitiba - Dum Petroleum, Green Cow e Caldo de Bituca

 

13. Dum Petroleum – Cervejaria Dum (Curitiba/PR)
Estilo: American Stout
Preço médio: R$ 25,00 a garrafa com 335 mililitros
Por que vale: “Com 12% de teor alcoólico, é uma cerveja aromática, de coloração negra, que leva aveia e cacau na composição. É daquelas para tomar uma só, sem pressa, já que é uma bebida forte”.
Combina com: cortes de suíno, como costelinha grelhada na brasa

14. Green Cow – Cervejaria Seasons (Porto Alegre/RS)
Estilo: American IPA
Preço médio: R$ 30,00 a garrafa com 500 mililitros
Por que vale: “Apesar do amargor característico de uma IPA, é uma bebida refrescante, leve, com alto drinkability”.
Combina com: petiscos de boteco e até salgadinhos industrializados, como amendoim torrado e batata frita.

15. Caldo de Bituca - Cervejaria Ogre Beer (São José dos Pinhais/PR)
Estilo: Rauchbier
Preço médio: R$ 23,00 a garrafa com 600 mililitros
Por que vale: É uma cerveja defumada, o que proporciona aroma sem igual, suave, de caramelo”.
Combina com: embutidos, a exemplo da linguiça Blumenau.


Rafael Petribú Teixeira e Gabriela Ramos (Recife/PE)

Ele é sócio-proprietário do Capitão Taberna, um misto de empório e bar localizado no Panamirim.  Para a harmonização das bebidas que indica a seguir, Rafael contou com a consultoria da beer sommelier Gabriela Ramos.

Recife - Tap 5, Mc Chouffe e Hop Lover

16. Tap 5 - Cervejaria Schneider Weisse (Kelheim, Alemanha)
Estilo: weizen Doppelbock
Preço médio: R$ 31,00, com 500 mililitros
Por que vale: “Ela surpreende. É uma cerveja de trigo, com características não muito comuns. O amargor é bem presente, remetendo mais ao abacaxi do que à banana, cravo e especiarias, como as cervejas de trigo geralmente fazem. O teor alcoólico é de 8,2%”, explica Rafael.
Combina com: A beer sommelier Gabriela Ramos recomenda degustar a bebida na companhia de uma porção de camarão ao molho de gorgonzola.

17. Mc Chouffe - Brasserie D’Achouffe (Wibrin – Achouffe, Bélgica)
Estilo: Belgian Specialty Ale
Preço médio: R$ 24,90, com 330 mililitros
Por que vale: “É uma cerveja belga de teor alcoólico forte, 8%, muito aromática e de espuma bastante densa. Apesar da graduação alta, o álcool não é tão evidente.”
Combina com: filé-mignon ao molho madeira  

18. Hop Lover - Cervejaria Serra de Três Pontas (Itupeva/SP)
Estilo: Imperial India Pale Ale
Preço médio: R$ 24,00, com 310 mililitros
Por que vale: “É o estilo mais amargo que tem de cerveja, mas é muito aromática, lembrando manga e maracujá. O teor alcoólico é 8,5%. Quando harmonizada com algum prato, o sabor fica potencializado.”
Combina com: Gabriela Ramos recomenda prova-la com  um bom hambúrguer recheado com queijo cheddar.

+ 15 coisas para entender o Recife e os recifenses
+ 20 coisas para entender o que é ser baiano

Guilherme Tocchetto Pauperio (Salvador/BA)

Proprietário do Rhoncus Pub & Beer Store, cuja carta de cervejas, com 250 sugestões, foi eleita e melhor da cidade na última edição de VEJA COMER & BEBER SALVADOR.

salvador

19. Fenrir Smoked Rye IPA - Cervejaria Hoffen (Votorantim/SP)
Estilo: Rauchbier
Preço médio: R$ 29,00, a garrafa com 600 mililitros
Por que vale: “O processo de defumação do malte usado em sua fabricação confere um aroma de bacon defumado e gosto marcante.”
Combina com: carnes gordurosas e queijos defumados  

20. IPA Hop – Cervejaria Burgman (Sorocaba/SP)
Estilo: India Pale Ale
Preço médio: R$ 29,00, com 600 mililitros
Por que vale: “É do estilo mais amargo entre as cervejas, mas se destaca pelo frescor promovido pelo processo de dry hop (adição de lúpulo na fermentação), o que a torna mais agradável e aromática.”
Combina com: Frutos do mar e carnes magras

21. Invicta Saison à Trois – Cervejarias 2 Cabeças e Invicta (Rio de Janeiro/RJ)
Estilo: Saison
Preço médio: R$ 29,00 a garrafa com 500 mililitros
Por que vale: “É muito aromática e tem um sabor picante, que aguça nossos sentidos”.
Combina com: pratos leves e condimentados.

Colaboraram nessa reportagem: Anelise Zanoni (Porto Alegre), Jennifer Detlinger (Belo Horizonte, Brasília e São Paulo), Joana Maltez (Salvador), Josi Basso (Curitiba) e Paula Melo (Recife). Fotos: Reprodução.

Comentários sobre "21 cervejas que vale a pena experimentar"

  1. » Catorze destinos gastronômicos com vistas de babar – Quentinhas comentou em 11/09/2015:

    […] + 21 cervejas que vale a pena experimentar + 17 imagens que vão te dar uma vontade incontrolável de comer pizza […]

  2. Luís comentou em 02/10/2015:

    “21 cervejas que vale a pena…”

    Sério? Concordância pra quê, né? O tipo de revisão que se faz… Ah, peraí, eu tô no site da Veja…

Comentar sobre "21 cervejas que vale a pena experimentar"





Publicidade

Publicidade

Publicidade