(Foto: Ligia Skowronski)

Passeios > Construções históricas

Theatro da Paz

Endereço: Rua da Paz, s/nº - centro - Belém

Telefone: (91)4009-8450

  • Funcionamento

    9h/13h e 14h/17h (sáb. 9h/12h; dom. 9h/11h)
  • Preço

    Sem cotação
  • Pagamento

  • Serviços

    Resenha

    Percorrer a construção inaugurada em 15 de setembro de 1878 na Praça da República é uma agradável maneira de revisitar os tempos em que as riquezas provenientes do ciclo da borracha ditavam a política e os costumes locais. Cada detalhe por ali guarda um pouquinho de história. O chão de paralelepípedos ao redor do prédio, por exemplo, servia para evitar o desgaste das patas dos cavalos que, no passado, puxavam as carruagens dos abastados frequentadores. Na entrada, remetem a outros tempos os mosaicos portugueses e a escada de mármore italiano; os lustres e demais objetos decorativos são de bronze, porcelana e cristal, grande parte vinda da França. Em seu salão principal, entre camarotes e plateia, o teatro acomoda 1 100 espectadores, todos em assentos feitos de madeiras pauamarelo, pau-brasil e pau-vermelho, que são consideradas nobres. Os mesmos materiais, aliás, revestem o piso, as paredes e o teto. Há história até mesmo na pequena sala que, nos dias de hoje, dá acesso ao elevador destinado a deficientes físicos: de estilo neoclássico, evidenciado pelas colunas gregas e pelo afresco que estampa o teto, ela foi criada em 1960 para abrigar a guarda da censura militar. Para conhecer em detalhes o lugar, vale fazer a visita monitorada, procurada por cerca de 2 000 pessoas a cada mês. O ingresso custa R$ 4,00, exceto às quartas, quando a entrada é livre. Tão rica quanto a arquitetura da edificação, declarada patrimônio histórico em 1978, é a intensa programação cultural da casa. Têm público cativo os festivais de balé, de dança e o mais famoso, de ópera, que costuma ocorrer em setembro. A programação de 2014 incluiu uma montagem de Otello, de Giuseppe Verdi, que contou com a participação da Orquestra Sinfônica do Theatro da Paz - o corpo estável reúne setenta músicos. As apresentações, contudo, não se restringem ao universo erudito. O mesmo palco recebe peças e eventos musicais (muitos deles gratuitos), como o Terruá Pará e o Amazônia Jazz Band.

    Os preços e demais informações foram apurados entre os meses de julho e setembro de 2014.